A EMOCIONANTE HISTÓRIA DE CLEONICE E RITA

A EMOCIONANTE HISTÓRIA DE CLEONICE E RITA

Certa vez, havia em um subúrbio uma simples menina que era órfã, muito estudiosa e vivia brincando com seus irmãos no pátio da escola.

Nice, como era apelidada pela irmã mais velha Rita, era uma garota tímida, mas apesar de sua timidez, era muito brincalhona. Vivia pulando corda com seus irmãos nas horas recreativas. Obcecada por cultura inglesa, Cleonice estudou várias teorias, principalmente assuntos do seu interesse, tais como a monarquia inglesa e os costumes dos ingleses no reino.

Rita, a mais velha da turma, vivia cuidando da caçula, fazia papel de mãe, e observava vários comportamentos típicos da irmã. Era dita como esquisita, mas pra ela, seu jeito de ser era um início de uma nova era, e que nada poderia atrapalhar seu desempenho na faculdade.

Nice tinha prazer em conversar com professores, porém com colegas da mesma idade a história era outra. Conversar era algo raro, pois todos a conheciam como Nicinha, a muda da sala… ”O silêncio é necessário, isto quando não me prejudica”. Era uma frase de Nice.

E seus colegas chamavam a atenção de Cleonice para uma conversa entre eles. Só que Nice mergulhava no seu hiperfoco, pois como havia explicado aos colegas sobre a monarquia inglesa, essa era a parte favorita dela, o casamento da princesa.

Enquanto Nice estava estudando em sua escola, Rita na faculdade era um pouco diferente da irmã. Como já tinha 22 anos e cursava Direito para se tornar juíza, era obcecada por justiça trabalhista. Até então, tudo bem. Rita dizia em um de seus depoimentos na faculdade: ”Não sei quem é mais tímida, se eu ou a Nice”.

Um dia o professor perguntou:

-”Quem é Nice?”

Rita respondeu:

-”Professor, todo mundo fala que sou tímida, às vezes me chamam de esquisita. Nice é minha irmã, ela também queixa de seus coleguinhas, que vivem falando dela.”

O professor perguntou com mais interesse no caso:

-”Você já ouviu falar de Albert Einstein?”

Rita respondeu, ainda com uma série de dúvidas:

-”Já, aquele físico que escrevia frases bonitas, né?”

O professor explicou para a Rita:

-”Einstein foi um homem com sabedoria, suas frases realmente eram boas, embora não tivessem nada a ver com a minha área, até porque já fui juiz trabalhista e minha vida não foi nada fácil.

Pra ser sincero, eu também fui um cidadão estranho, tímido, brincava com meus primos, sonhava ser professor de Direito, superei as expectativas da minha psicóloga, que me ajudou na socialização. Cuidei-me, e sabe o que a psicóloga me disse? Não importa o seu jeito de ser, o que importa é o que você é capaz de fazer, você e sua irmã também irão brilhar, pense nisso e diga tudo isso que falei pra você. ”

Quando Rita foi para sua casa, cheia de alegria, disse tudo para Cleonice o que seu professor lhe dissera. Nice se alegrou, pois precisava de um ânimo para fazer a diferença no colégio.

Rita decidiu fazer uma pesquisa. Leu livros, até mesmo as frases de Albert Einstein. E foi a resposta para tudo o que precisava, descobriu o autismo pela primeira vez: -”Puxa, nunca ouvi falar de autismo na minha vida, acho que eu e Nice somos autistas e não sabemos. ”

No dia seguinte, quando Cleonice se aprontou para ir à escola, Rita decidiu falar com ela sobre o suposto autismo. Nice achou raro esta palavra, como qualquer criança, ficou curiosa em saber o que era. Nice disse: -”Minha professora de ortografia deve saber o que é. ”

Nice perguntou à sua professora: -”Tia, o que é autismo? Quero logo saber, tudo tá estranho pra mim e pra minha irmã leu sobre isso esses dias. ”

A professora lembrou que tinha um sobrinho, também autista e respondeu: -”Menina, não sou nenhuma psicóloga ou psiquiatra, mas posso lhe ajudar, até porque meu sobrinho também é autista, porém ele não fala, como tu. ”

A professora explicou a Nice o que se tratava então ela chorou, pois tudo começava a fazer sentido para ela, porém a professora a consolou: -”Nice não chore você é uma aluna exemplar, vejo que você tem muito a oferecer! Seus interesses por cultura inglesa me faz lembrar meu irmão falecido, que também era tio desse meu sobrinho que te falei. ”

Ao passar dos anos, Nice e Rita foram diagnosticadas com Asperger. Ambas familiarizadas com suas condições, Rita e Nice continuaram a estudar. Agora Nice está no colegial, quanto a Rita, está se especializando na área e já trabalha como juíza trabalhista no período da manhã.

Quanto aos outros irmãos, alguns se casaram e tiveram filhos, outros se mudaram para outros países, pois melhoraram financeiramente.

Nice não desistiu, seguiu as dicas do professor da irmã mais velha e continuou a sonhar. Agora adolescente de 17 anos, Nice era a amiga preferida de Lurdes, ambas Asperger.

Nice e Lurdes tinham interesses em comum, porém Nice focada no reino inglês e costumes, enquanto Lurdes em paisagens da Inglaterra.

O final feliz estava ainda pra chegar, quando Nice conheceu o amor de sua vida, José Osório.

Osório e Nice iniciaram o namoro após cinco meses de convivência escolar, ambos se conheceram na própria sala de aula.

-”Quem foi que disse que autista não namora?” Foi uma pergunta de Lurdes para os seus colegas. Vendo a amiga namorar, Lurdes ficou alegre e aguardou o seu dia chegar.

Lurdes empolgada começou a dizer: -”O meu rei vai chegar, sei que vai”.

Osório e Nice namoraram tranquilamente e ela seguiu o seu sonho em conhecer a Inglaterra.

Quanto a Rita, julgava vários processos contra empresas que sonegavam os direitos dos trabalhadores.

Finalmente Osório decidiu visitar Nice para conhecer os seus cunhados. Reuniram todos eles e começaram a conversar, numa reunião interessante, pois Rita disse: -”Tenho prazer em ver minha irmã feliz com Osório, quem a viu antes, não imaginaria quem ela seria no futuro.”

E todos daquela linda família viveram felizes para sempre.

 

    Leonardo Ricardo

10602760_800769779973644_294558687_n