TDAH: CRITÉRIOS PARA UM DIAGNÓSTICO PRECISO

TDAH: CRITÉRIOS PARA UM DIAGNÓSTICO PRECISO

O Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) é uma disfunção neurobioquímica séria e requer basicamente tudo o que ele mais afeta nos seus portadores: atenção. Bioquimicamente falando, ele afeta uma diminuição funcional da atividade dopaminérgica (dopamina) e noradrenérgica (noradrenalina), resultando no comprometimento das funções executivas exercidas pelo córtex frontal. O TDAH não afeta a cognição, mas impede o indivíduo de executar, planejar, organizar seus projetos, suas tarefas diárias.

O TDAH começa a manifestar-se na infância, porém, o diagnóstico obedece a critérios e deve ser realizado por profissionais qualificados e que tenham especificidade profissional para casos desse tipo. Fechar um diagnóstico de TDAH em crianças se torna muito mais complexo, pois o homem, como ser biológico, tende a se adaptar as mudanças ao meio.

O mundo moderno, o progresso tecnológico, as necessidades de trabalho, as exigências dessa nova vida a qual fazemos parte, nos obriga a adquirir uma postura diferenciada, não tão passiva para que não sejamos atropelados por uma multidão de seres competitivos querendo disputar espaços cada vez mais limitados para os mais capacitados, mais bem adaptados. Só os fortes sobreviverão! Sábias palavras de Charles Darwin…

Esse novo mundo, em que estamos inseridos, nos bombardeia todos os dias e por todos os lados com estímulos diversos e a nossa capacidade biológica, adaptativa a uma condição diversificada, nos tornou seres naturalmente mais agitados para que estejamos aptos a lidar com essa enxurrada de informações que chegam a todo o momento e que a vida espera de nós uma reação imediata diante delas. É o que chamamos de “Síndrome do Pensamento Acelerado”.

Exatamente por isso, mães e profissionais, que é preciso fazer a análise do modo de vida de uma criança antes de rotularmos como hiperativa. Já pararam para pensar que agitação, ansiedade, falta de atenção podem ser um estado temporário na vida de uma criança? Imaginaram alguma vez que pode fazer parte desse processo evolutivo de adaptação a esse novo mundo, um meio cheio de possibilidades, desafios e por uma simples questão comportamental ela pode estar enfrentando dificuldades, mas uma vez bem inserida e colocada tudo tende a normalizar? Afinal, apesar das suas características genéticas, o homem é fruto do meio que se torna fundamental para potencializar coisas que até então constavam apenas como bagagem no DNA.

O diagnóstico definitivo do TDAH só deve acontecer após os 5-6 anos de idade, justamente porque é o momento em que, normalmente, as crianças iniciam a vida escolar. É necessária uma investigação profunda (anamnese) para certificarmos que os episódios de desatenção, impulsividade, hiperatividade não são fatos isolados e decorrentes da relação familiar, social ou de processos educacionais inadequados ou, até mesmo, outros transtornos ligados à infância.

Crianças com TDAH apresentam uma história de acontecimentos e sintomatologia frequentes que devem ser cuidadosamente avaliados. Vale a pena salientar que nem toda criança agitada, agressiva ou que vai mal à escola tem um transtorno ou um distúrbio de aprendizagem. Portanto, atenção com o diagnóstico precoce de TDAH e, principalmente, com o uso de medicações. Lembrem-se sempre: “A diferença entre o remédio e o veneno está apenas na dose”.

      Daniele Galvão

10711327_817749354942353_1622398335_n